Como funciona o Alelo Cultura

Como já citamos em outro artigo: “Cartão Alelo e seus benefícios”, a Alelo além de oferecer os cartões-benefícios referentes à alimentação aos trabalhadores de empresas credenciadas, a corporação oferece também outros cartões-benefícios referentes ao transporte e cartões internacionais e pré pagos.

Um dos serviços que a Alelo oferece aos trabalhadores é o “Cartão Alelo Cultura”. Este serviço tem como objetivo levar cultura aos trabalhadores, dando acesso à lugares culturais como cinema, livrarias, teatros, shows, museus e exposições.

Para empreendedores que procuram um maior conhecimento em seus trabalhadores, o Cartão Alelo Cultura é uma ótima opção.

O cartão oferece aos seus beneficiários um desconto de 50% no valor de qualquer evento cultural, garantindo um maior acesso do trabalhador à estes eventos.

Você pode acessar o site Alelo Cultura para ver quais são as atividades que apresentam descontos com este benefício.

Além de garantir uma melhor qualidade de vida aos funcionários e sua família, com a aquisição do Vale Cultura, sua empresa será isenta de encargos como o FGTS e o INSS sobre o valor do serviço. Ou seja, quanto mais você investir em cultura, menos impostos você e sua empresa pagam!

Diversas redes aceitam o Vale Cultura da Alelo, entre eles o site da FNAC; o Teatro Bourbon, Bradesco, Feevale e outros; Livraria Curitiba, Saraiva, Cultura e outras e as redes de cinema GNC, Aecoplex, 200, Cinemark, etc. Veja todas as redes certificadas pela Alelo no site: http://alelocultura.com.br/

Para utilizar o serviço é só apresentar o cartão em algum destes lugares que será cobrado apenas a metade do valor do ingresso.

Essas dicas foram enviadas pelo site Saldo e Cartão. Lá você vai encontrar diversos artigos e tutoriais sobre como ver o saldo do Sodexo, do Alelo, do FGTS, e também de vários outros serviços e cartões.

Se você pretende ser um empreendedor, vale muito a pena conferir o site pois ele tem, inclusive dicas para você conseguir um investimento do BNDES e também o cartão CNPJ. Fica a dica!

Doenças Sexualmente transmissíveis: porque devemos nos preocupar

Doenças sexualmente transmissíveis são como são chamadas as patologias que podem ser transmitidas por uma pessoa contaminada a outra pessoa através da relação sexual. Também chamadas pela sigla DST, estas doenças podem ser de vários tipos e podem trazer sintomas que apenas incomodam ou até mesmo letais.

Muitas doenças são difíceis de evitar como, por exemplo, o câncer, patologia da qual não se conhece causa exata e determinante; ou infecções por vírus e bactérias, que podem ser passados pelo ar ou objetos contaminados. Mas, no caso das DSTs, a prevenção é mais simples e garantida. Mesmo assim, muitas pessoas não tomam os devidos cuidados na hora de ter relação sexual.

Quais são as doenças sexualmente transmissíveis e quais seus perigos?

As DSTs são várias e podem ser desde doenças mais inofensivas, mas que incomodam bastante como o “chato”, ou a famosa síndrome que não tem cura e pode ser letal: a AIDS.

Veja quais são as principais DSTs:

1) AIDS: trata-se de uma síndrome, o que caracteriza um conjunto de sintomas que podem ser ocasionados por vários fatores. A palavra AIDS significa em inglês “acquired immuno deficiency syndrome”, cuja tradução em português é “síndrome da imunodeficiência adquirida”, por isso também é conhecida por SIDA.

A AIDS não possui cura, apesar de os estudos para seu combate terem avançado com o passar dos anos. Apenas o tratamento desta síndrome evoluiu, dando ao doente, boas perspectivas de uma vida normal.

A síndrome é causada por um conjunto de vírus intitulado HIV. Estes vírus invadem células de defesa do organismo como alguns tipos de glóbulos brancos. Dentro destas células, estes vírus se multiplicam, comprometendo todo o sistema imunológico da pessoa. Sendo assim, o doente fica muito mais vulnerável a complicações no caso de infecções e outras doenças. Estas doenças podem levar o doente enfraquecido à morte, e não a AIDS, diretamente.

2) Gonorreia: infecção que leva à coceira intensa das partes genitais. O doente apresenta também: corrimento purulento, ardor ao urinar e excesso de micções (muitas idas ao banheiro para urinar). Se não tratada correta e rapidamente pode levar à infertilidade.

3) Sífilis: uma doença bacteriana que pode causar graves danos. Seu principal sintoma inicial é o aparecimento de uma ferida coberta por uma secreção amarelo-clara como um pus endurecido (doença também chamada de cancro duro). Se houver complicações, pode levar a danos no sistema nervoso e cardiovascular.

4) Cancro mole: formação de ferida coberta com pus líquido. A ferida pode aparecer no pênis ou região pubianal. É dolorida. Seu aparecimento é mais comum nos homens.

5) Tricomoníase: causada por um protozoário, a doença faz com que a mulher portadora apresente corrimento amarelado e com cheiro forte, além de dor ao urinar. Nos homens, não há ocorrência de sintomas.

6) Pediculose pubiana (chato): causado por um artrópode de apelido “chato”, leva a coceiras, ferimentos leves e infecções bacterianas.

7) Hepatite: as hepatites do tipo B (mais graves) e do tipo C podem ser transmitidas pela relação sexual e são muito preocupantes pois podem levar a quadros de insuficiência hepática, cirrose e até mesmo câncer hepático. Para a hepatite B, há vacina.

8) HPV: também chamado de “crista-de-galo”, pois seu principal sintoma é o aparecimento de verrugas na região anogenital e colo-do-útero.

Há outras doenças sexualmente transmissíveis. Citamos aqui as principais.

Quando falamos em DST, o melhor caminho é a prevenção

A prevenção de todas estas doenças é perfeitamente possível se alguns cuidados forem tomados.

Veja como se prevenir das principais DSTs:

  • Usar o preservativo ao ter relações sexuais é sempre o melhor caminho;
  • Se seu parceiro for fixo, pode ser realizado o exame de identificação do HIV e hepatites. Deste modo, relacionando-se monogamicamente, de ambas as partes, o casal estaria protegido;
  • Tomar vacinas contra hepatite B e HPV;
  • Higiene pessoal e de roupas íntimas é importante para a prevenção de doenças causadas por bichinhos como no caso do chato;
  • Não compartilhar agulhas ou seringas.

Mais dicas de Saúde você encontra no SNQC Brasil e no Tua Saúde

O que você precisa saber antes de investir em uma franquia

Há para todos os gostos e tamanhos. As franquias de todas as espécies tomaram conta do mundo do empreendedor brasileiro de alguns anos pra cá e há opções em quase todos os segmentos de produtos/ serviços e para todos os tamanhos de bolso, com investimentos iniciais a partir de R$5 mil.

Para olhar estas oportunidades de negócio de uma ótica otimista, há várias histórias de sucesso: pessoas que investiram seu capital, recuperaram o investimento e transformaram a unidade franqueada em um negócio lucrativo que, muitas vezes, pode beneficiar até mesmo toda a família.

Por outro lado, há histórias de insucesso: pessoas que acabaram endividadas ou até mesmo, que tiveram que fechar suas unidades por causa de irregularidades do franqueador.

Apesar de parecer mais fácil do que criar uma nova marca, a compra de uma franquia não é sucesso garantido. Veja os cuidados que você deve tomar antes de investir seu capital em uma franquia:

1) Realizar minuciosamente o estudo do investimento total para a abertura e manutenção do negócio:

No momento do estudo, o empreendedor deve questionar o franqueador sobre todos os custos envolvidos na abertura da franquia como: ponto comercial, instalações internas e externas, equipamentos obrigatórios, estoque, despesas operacionais, taxas relacionadas à franquia e o capital de giro.

Valores-surpresa não são bem vindos depois que o negócio estiver contratado e o franqueado pode acabar perdendo o controle. Não é ideal começar o negócio endividado. Todo o capital inicial deve estar disponível pelo empreendedor sem empréstimos, pois, durante os primeiros anos, o negócio pode ter altos e baixos. O crédito poderá ser solicitado nestes casos.

2) Analise o contrato em sua totalidade dando especial atenção aos pontos críticos:

Verificar informações sobre qual é a duração do contrato e quais as regras de renovação é importantíssimo para o franqueado. Ele pode comparar estas regras com outras franquias. Por exemplo: algumas franquias cobram taxas para renovação após o término do contrato, outras não cobram nada.

A maioria das franquias possui contratos de até cinco anos, que é um período que deve ser considerado máximo para recuperação do investimento e ganho de dinheiro.

3) Questione sobre o faturamento médio mensal e a margem de lucro líquido:

Faturamento, basicamente, é todo o dinheiro que entrou e lucro líquido é o dinheiro que “sobra” depois de pagar todas as contas. Estes dois conceitos são muito importantes para o giro do negócio. Por isso, pergunte ao franqueador quais são estes números relacionados à sua franquia.

Através destes números, você conseguirá avaliar a rentabilidade da franquia e compará-la com outras opções, caso esteja em dúvida.

4) Considere seu perfil antes de decidir pela franquia

O franqueado deve ter afinidade com o ramo de atuação da franquia. Ter visão de negócio e disposição para o trabalho também são características imprescindíveis. O empreendedor deve estar disposto a dedicar-se ao negócio interinamente no início.

5) Questione sobre o suporte a ser dado pelo franqueador

É imprescindível ter conhecimento sobre quais treinamentos e materiais de consulta serão disponibilizados para o franqueado, além das possibilidades de consultoria, acompanhamento e ajuda em eventuais problemas. Verifique também como funcionam as metas de cada unidade e o acompanhamento pela matriz. Questionar também sobre como funciona o esquema de marketing é interessante.

6) Muito importante: saber mais sobre o histórico da rede e nível de satisfação de outros franqueados

O franqueador é obrigado a fornecer ao empreendedor uma lista com os contatos de outros franqueados. Converse com estes empresários sobre suas dificuldades e acertos, bem como sobre a qualidade do suporte e cumprimento de regras da matriz.

É imprescindível consultar números relacionados à franquia: quantas unidades abertas, quantas fechadas, faturamento total etc.

Adquirir uma franquia é algo tão complexo quanto abrir o próprio negócio. Siga todos os passos obrigatórios e realize muitos estudos antes de tomar decisão. Recorrer a especialistas e consultorias também pode ser um passo importante.

Esse texto foi enviado pelo portal Noob Digital, acesse: www.noobdigital.com